Uso de máscara será obrigatório no transporte público

2395
- Publicidade -

A partir de segunda-feira, 4/5, passageiros terão que utilizar o item nos ônibus da EMTU, trens da CPTM e Metrô

Por: Caroline Rossetti

O governo do estado de São Paulo anunciou nesta quarta-feira, 29/4, que o uso de máscara de proteção será obrigatório no transporte público. Os passageiros deverão utilizar o item nos ônibus intermunicipais da EMTU nas regiões metropolitanas, o que inclui Barueri, nos trens da CPTM, que passam pela cidade, e no Metrô a partir da próxima segunda-feira, 4/5.

Obrigatoriedade valerá também para táxi e aplicativo, porém, detalhes serão decididos por cada município/ Foto: Divulgação – Governo de São Paulo

A iniciativa faz parte das ações do governo estadual para frear o ritmo de contaminação da COVID-19. A regra também valerá para os ônibus rodoviários, fiscalizados pela Artesp, e para os ônibus da capital paulista, administrados pela prefeitura de São Paulo. O decreto será publicado no Diário Oficial do Estado São Paulo de quinta-feira, 30/4.

Em coletiva de imprensa, o governador João Doria disse que tem certeza que a obrigatoriedade do uso de máscara no transporte também será seguida pelos municípios, que terão que fazer decretos municipais para abranger a frota de ônibus municipal. “A obrigatoriedade é válida também para táxis e aplicativos, e a especificação será feita pelas prefeituras”, recomendou o governador.

As empresas de transporte público e os prestadores de serviços serão responsáveis por fiscalizar o cumprimento do decreto, inclusive impedindo que a entrada e a permanência de pessoas sem máscaras no interior das estações, dos vagões e dos ônibus. Os órgãos estaduais e municipais poderão dar advertência para as empresas que não colaborarem com a determinação, e se o descumprimento persistir, será aplicada multa.

O Barueri na Rede procurou a gestão municipal questionando se Barueri seguirá o estado na obrigação do uso de máscara nos ônibus municipais, da Benfica e da Ralip, mas, até o fechamento desta reportagem, não recebeu resposta.

- Publicidade -