Funcionalismo de Jandira entra em greve geral

787
- Publicidade -

Servidores iniciaram paralisação nesta segunda. Reajuste é principal reivindicação. Prefeito Gê diz que greve é oportunismo do sindicato

jandassembleia
Assembleia realizada na segunda-feira, diante do ginásio de esportes, pouco antes da passeata até a prefeitura/Fotos: Fabiana Almeida

 

Os funcionários públicos de Jandira entraram em greve por tempo indeterminado nesta segunda-feira, 11/4, depois que fracassaram as negociações em torno de uma pauta de reivindicações que apresentaram à prefeitura. Os servidores fizeram duas passeatas pelo centro da cidade, uma de manhã e outra à tarde, e prometem repetir as manifestações diariamente enquanto durar a paralisação. Durante a manhã, houve uma confusão diante do gabinete do prefeito e um segurança chegou a sacar uma arma.

O funcionalismo decidiu entrar em greve em assembleia realizada na sexta-feira, após uma reunião entre o sindicato e os secretários municipais de Administração, Daniel Carnecine de Oliveira, e de Governo, Paulo Bittencourt. Esse encontro não chegou a nenhum acordo sobre os pedidos feitos pelos servidores.

[sam_ad id=”7″ codes=”true”]

 

A principal reivindicação é o reajuste que deveria ter ocorrido em julho do ano passado e não houve. Segundo o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Jandira (Sindserjan), a prefeitura já teria informado que esse ano não haverá repasse do dissídio novamente (leia abaixo a pauta completa do funcionalismo).

A greve foi autorizada pela Justiça e os servidores estão mantendo os serviços essenciais funcionando. Segundo José Henrique, presidente do sindicato, aderiram ao movimento trabalhadores das áreas de educação, saúde e obras. Os sindicalistas calculam que cerca de 500 pessoas participaram de cada um dos atos e acreditam que o movimento cresça com o passar dos dias.

Revezamento

As passeatas foram divididas em duas para facilitar o acesso do maior número possível de funcionários, segundo Alexandre Barros, diretor do Sindserjan, pois muitos servidores têm outros empregos em outras cidades. Dessa forma, é possível fazer um revezamento. A intenção do movimento é manter a estratégia todos os dias até que o prefeito converse com os representantes.

As manifestações saíram do ginásio de esportes pelas ruas do centro e caminharam até diante do gabinete.Os grevistas gritavam palavras de ordem, em geral contra o prefeito Geraldo Teotônio da Silva, o Gê. Havia muitas mulheres (principalmente professoras) e algumas levaram crianças.

jandmateria
Passeata dos servidores em greve caminha na direção do gabinete do prefeito

Na ato da manhã, houve um principio de tumulto quando um dos grevistas insistiu para usar o banheiro do gabinete. Ele foi puxado pelo braço por um segurança, que sacou uma arma e o ameaçou. O sindicalista Alexandre Barros e uma funcionária do gabinete acalmaram os ânimos. Um grupo de professoras disse que pretendia registrar um Boletim de Ocorrência sobre o episódio.

Segundo a direção do sindicato, essa é a quinta greve consecutiva dos servidores. Além do dissídio, os funcionários alegam que não recebem o quinquênio, cujo pedido está tramitando na Justiça, e pedem aumento do vale refeição (de R$ 140 para R$ 250 mensais) e revisão do plano de carreira. Também querem alterar a reforma administrativa que privilegiou os salários dos comissionados. “A reforma colocou os cargos do prefeito ganhando mais que concursados de 25 anos”, afirma Alexandre Barros.

Resposta do prefeito

O prefeito Gê publicou em sua página no Facebook uma carta aberta ao funcionalismo justificando a posição da prefeitura. Ele atribui a greve ao oportunismo do sindicato dos servidores. De acordo com o prefeito, a crise econômica atingiu as receitas do município e a concessão de um reajuste salarial agora não poderia ser honrada no futuro. “Se eu der aumento agora, até acabo com a greve, mas daqui a 2 ou 3 meses não vamos conseguir sequer pagar o salário em dia”, diz a carta.

Ele afirma ainda que em sua gestão foi criado um plano de carreiras que garantiu aumentos reais de salários a parte dos servidores. Diz ainda que em um plano de enxugamento cortou 220 cargos em comissão e extinguiu oito secretarias. Esse é justamente um dos pontos reclamados pelos servidores.

Gê finaliza dizendo que espera que a crise acabe logo para poder dar “o merecido aumento aos nossos funcionários públicos jandirenses”.

[sam_ad id=”16″ codes=”true”]
As reivindicações do funcionalismo

A pauta de pedidos dos servidores é a seguinte: aumento real de 25%; cartão alimentação de R$ 250; antecipação da porcentagem de recomposição salarial a ser paga em junho; reavaliação dos planos de carreira; abertura de concurso público geral; equipamentos de segurança; regularização pela lei de hora-aula; vale transporte; vale cultura; regularização do adicional de insalubridade por meio de laudo; regularização de horas extras e desvio de função.

 

- Publicidade -