Eles fizeram a diferença nas escolas em 2016

218
- Publicidade -

Cada um do seu jeito, Tiganá, Joice, Baú, Tiago e Felipe ajudaram com seu talento a dar mais brilho ao desfile das escolas de samba

Tiganá cantou o samba de quatro escolas/Fotos: BnR

O cantor e compositor Tiganá, foi o verdadeiro cidadão-samba deste ano. Certamente ele não foi o único sambista a desfilar em cinco escolas neste carnaval.

Mas, com certeza, foi o único que saiu puxando o samba em quatro (Unidos do Paulista, São Jorge, Cadência Paulista e Unidos do Belval) e, de quebra, saiu na bateria do Mocidade Marihá.

Com 40 anos de idade e mais de 20 de samba, Tiganá tem história no carnaval de Barueri, pois durante três anos foi o intérprete oficial da Raízes do Silveira.

Depois da paralisação dos desfiles, cantou profissionalmente em bares e casas noturnas por cinco anos, mas hoje se apresentar é apenas um prazer.

No final do desfile, a voz ainda segurava o samba do Belval, escola que fechou o desfile. “O segredo é descansar bem uma noite antes.” Parece fácil.

 

GEDSC DIGITAL CAMERA
Joice quer sair numa grande escola

Sonhando grande

Joice Cavalcanti, 19 anos, foi uma das estrelas do domingo. Bonita, elegante, chama a atenção pelo cabelo vermelho, o sorriso largo e muito samba no pé. Foi assim que ela encantou ao passar na frente das baterias da Ganga e da Mocidade Marihá.

Quem vê seu desempenho na avenida logo se pergunta de que agremiação paulistana ela é. “De nenhuma”, responde. “Meu sonho é desfilar numa escola grande, mas ainda não deu”, completa. Não vai demorar muito.

 

Não precisa ensaiar

Baú: quase 50 anos de muito samba
Baú: quase 50 anos de muito samba

Ele se chama Jerônimo da Silva de Jesus, mas todos no mundo do samba o conhecem por Baú. Afinal, ele já cruzou a avenida em Barueri por quase todas as baterias possíveis batendo forte na caixa.

E aos 66 anos Baú voltou a soltar seu sorriso contagiante na avenida. Até aí, tudo bem, mas foi em cinco escolas: Verde e Rosa, São Jorge, Paulista, Ganga e Unidos do Belval.

Ele admite que não ensaiou na maioria delas. “Depois de quase 50 anos de samba a gente já sabe o que tem que fazer”, explica. E os braços? “Os braços estão bem, a pegada continua a mesma.” Ah, ele ainda desfilou em ala na Mocidade Marihá.

 

GEDSC DIGITAL CAMERA
Tiago no microfone, Felipe no apito: entrosamento

Samba em família

Basta olhar e ver que são irmãos: Tiago e Felipe Nascimento. O primeiro, 29 anos, puxa o samba da Cadência Paulista. O segundo, 20, deve ser o mestre de bateria mais jovem do Brasil.

A afinação é total. Tudo que ensaiam na quadra, debatem em casa. “Ele é como se fosse meu pai, conto tudo pra ele antes de qualquer um”, diz Felipe, o Passarinho, que é ritmista da Gaviões da Fiel, onde o irmão faz parte da ala de puxadores.

Na verdade, foi por causa de Tiago que Felipe foi para o samba. “Eu só via o desfile pra ver o meu irmão da TV”, lembra o caçula. Até que em 2010, com 14 anos, começou a aprender tamborim por influência do mais velho. Em seis anos, chegou a diretor de uma bateria. “Foi rápido, né?”, pergunta. Foi, sim.

Leia mais sobre o Carnaval 2016 em Barueri:

Escolas empolgam o público mesmo debaixo de sol e sem conforto

Opinião: carnaval, contra tudo e contra todos

Liga vê volta dos grandes desfiles em 2017

- Publicidade -