Com sete pré-candidatos, cenário eleitoral começa a tomar forma

1808
- Publicidade -

Partidos e políticos se movimentam para formalizar pré-candidatos à prefeitura para a eleição de outubro

Aos poucos o cenário político de Barueri vai tomando forma, com a confirmação de pré-candidaturas ao cargo de prefeito. Ao menos sete nomes devem se apresentar para a disputa de outubro. Fábio Teruel e a definição do candidato a ser apoiado por Rubens Furlan são os temas que estão aparecendo mais no momento, mas Mari Tavelli, Reinaldo Monteiro e Julio Leal têm avançado no sentido de se confirmar como concorrentes e tanto PT quanto Psol também já decidiram ter disputante próprio.

Beto é nome mais falado para representar Furlan

A situação indefinida ainda é sobre quem Rubens Furlan vai indicar para concorrer com seu apoio. Impedido pela Justiça de disputar a eleição, o prefeito luta para reverter sua situação, mas acaba de sofrer nova derrota no Tribunal Regional Eleitoral (TRE). No final de fevereiro, os embargos que apresentou contra a sentença foram novamente recusados pela corte.

O possível candidato de Furlan ainda é uma incógnita, mas o nome do vice-prefeito e secretário de Obras Beto Piteri é o mais citado em seu grupo político. Ele é homem de confiança de Furlan e tem feito movimentos na direção da campanha, como a criação de uma página no Facebook em janeiro e a publicação de um vídeo anunciando a construção de um hospital regional na cidade. Mas, ao mesmo tempo, na Câmara Municipal há um início de movimento para que o nome indicado seja de um vereador.

Fabio Teruel: pré-candidatura confirmada

Outro que mudou de atitude recentemente foi Fabio Teruel. O radialista vinha liderando um movimento político na cidade em torno de seu partido, o Podemos, mas sempre negando ser pré-candidato. Sua atuação resumia-se à publicação de vídeos nas redes sociais criticando a gestão municipal. No entanto, a partir da inauguração da sede da legenda no Alphaville, em fevereiro, Teruel mudou o discurso e passou a se apresentar como pré-candidato. Ao mesmo tempo, intensificou a publicação de vídeos com teor político.

Mari, única mulher a lançar pré-candidatura até agora

A outra pré-candidatura já consolidada é a de Mari Tavelli. Com 31 anos de idade, ela não é apenas a possível concorrente mais jovem, como a única mulher até o momento a se apresentar para a disputa. Formada em Gestão em Comércio Exterior, é presidente estadual da juventude do PSB e secretária nacional de Direitos Humanos da Juventude Socialista e tem o apoio da direção nacional da legenda, com quem esteve em Brasília durante esta semana. Também é aluna do RenovaBR, instituição que trabalha pela renovação política no país. Na eleição em Barueri, Mari vai enfatizar o papel da mulher e uma das metas do PSB é ter 50% da chapa de vereadores feminina – a lei obriga 30%.

Julio Leal em Brasília: aliado de Bolsonaro

Completam o time de pré-candidatos já conhecidos Reinaldo Monteiro e Julio Leal, ainda em estágio final de definição de legenda. Julio representa o movimento do presidente Jair Bolsonaro na cidade. No momento, ele tem um grupo de 36 nomes para disputar um cargo na câmara, mas prevê que esse número vai aumentar até a convenção partidária. Cada partido pode ter 32 candidatos. Em razão da dificuldade em registrar nacionalmente o novo partido de Bolsonaro, o Aliança, ele conversa com duas legendas para definir que sigla o grupo terá nessas eleições em Barueri.Julio se apresenta como um estudioso dos problemas da gestão da cidade e pretende apresentar um diagnóstico da saúde financeira e realizar uma auditoria das contas municipais. Em 2018, ele disputou a eleição para deputado estadual.

Reinaldo Monteiro propõe choque de gestão

Reinaldo Monteiro também aguarda a finalização do processo de registro para anunciar por qual partido pretende disputar, mas já se organiza para formar uma chapa completa de vereadores. Membro da GCM e presidente da Associação de Guardas Municipais do Brasil, durante 2019 teve intensa participação em discussões no Congresso Nacional, em Brasília, em torno da luta pelas garantias de direitos dos GCMs na reforma da previdência. Segundo ele, uma mulher será sua vice, e sairá da área de saúde ou da educação. Seu projeto político prevê um choque de gestão no município, com visão de futuro a médio e longo prazo e criação de um grupo técnico qualificado de secretários.

Fecham o grupo dos concorrentes o PT e o Psol. Os petistas não apresentaram candidato a prefeito em 2016, quando se coligaram ao Psol e apoiaram Saulo Goes, que terminou a disputa em segundo lugar, com 19 mil votos. Desta vez, a legenda definiu que concorrerá e definirá o pré-candidato nas prévias que organizará em breve. O partido avalia que, depois da crise nacional, começa a se reestruturar e conseguiu reagrupar todas as suas forças locais. Hoje, o PT tem registrado aumento no número de filiados.

O Psol, que participou a coligação com o PT e Saulo em 2016, voltará a ter candidato saído de seus próprios quadros. De acordo com o professor Luis Carlos Silva, secretário-geral e presidente interino da agremiação em Barueri, o nome do escolhido será definido nas próximas semanas. Uma primeira reunião partidária no próximo sábado, 7/3, vai iniciar as discussões sobre as eleições municipais e as estratégias que a legenda vai seguir.