Cidades da região revogaram aumentos de ônibus

930
- Publicidade -

Uma das justificativas da Benfica para o reajuste da tarifa, aceita pelo MP,  é o de que está acompanhando outras cidades

Após ser questionada pelo Ministério Público para que justificasse o aumento na tarifa de ônibus, a BB Transporte e Turismo (Benfica) encaminhou, além da planilha de custos, cópias de decretos de aumentos similares em outras cidades e matérias de jornais sobre o assunto, para fundamentar a ação. Porém, em vários municípios da Grande São Paulo, como Guarulhos, Mauá e  Jandira, os aumentos foram revogados. Na cidade de São Paulo não houve reajuste.

Benfica Jandira: aumento revogado
Benfica Jandira: aumento revogado

Na cidade vizinha de Jandira, em 28 de dezembro de 2016, o prefeito Geraldo Teotônio da Silva, o Gê, assinou o decreto 3.720 que autorizava o reajuste da tarifa de R$ 3,70 para R$ 4,00 a partir do dia 30. Porém, o aumento não durou muito. No dia 4 de janeiro, o  novo prefeito Paulo Barufi anulou o decreto “em razão do não atendimento integral do Contrato de Concessão nº 65/2014, tornando nula a autorização da cobrança pela Concessionária B.B. Transportes e Turismo LTDA (Benfica) do preço de R$ 4 por passageiro transportado”, justifica no novo texto.

Em Guarulhos, o prefeito Sebastião Almeida assinou um decreto que reajustava o preço em 18,4%. Assim, em 29 de dezembro, o valor passou de R$ 3,80 para R$ 4,50 ou R$ 4,20 para quem utiliza o Cartão Cidadão. Entretanto, no dia 30, a justiça decidiu pela suspensão do aumento até que fosse julgada uma ação popular que questionava o reajuste. Com a troca de governo, o novo prefeito Gustavo Henric Costa, Guti, cancelou o decreto anterior e o preço voltou a R$ 3,80.

A exemplo de Guarulhos, Mauá também teve o reajuste suspenso pela Justiça. Posteriormente ele foi revogado pelo prefeito Átila Jacomussi, no dia 5 de janeiro. O valor que tinha sido reajustado para R$ 4,20 retroagiu para R$ 3,80. Na capital, o preço da passagem foi congelado pelo Prefeito João Dória.

A planilha utilizada para o levantamento de custos em São Paulo é a base para os questionamentos realizados pelos movimentos sociais Mosca, Núcleo 10 de Maio e Lutas Populares, ao MP de Barueri. São Paulo, que sempre foi referência de preço para as cidades da Grande São Paulo, hoje é a que tem um dos menores valores, ainda que a quilometragem rodada lá seja maior.

Veja abaixo os preços praticados em cidades da Grande São Paulo:

precos-na-grande-sp

- Publicidade -