Pais denunciam condições precárias na biblioteca do Silveira

372
- Publicidade -

Biblioteca João Galdino de Oliveira está com o teto mofado e ficou praticamente um mês sem atividades devido as chuvas

Teto está cheio de manchas de mofo e baldes podem ser vistos por toda a sala/Foto: Arquivo pessoal

Pais de alunos que fazem aulas das oficinas de artes na Biblioteca João Galdino de Oliveira, do Jardim Silveira, se queixam das condições precárias que o local apresenta, como teto mofado e piso manchado. 

Chão manchado e cadeiras amontadas também são vistas na biblioteca/Foto: Arquivo pessoal

Quando chove, a biblioteca fica toda alagada, sem condições nenhuma de uso em qualquer atividade, nem retirada de livros para leitura”, afirma a mãe de uma aluna que faz aulas de balé na biblioteca, ao Barueri na Rede. “Funcionários, alunos, pais e demais visitantes, estamos todos em risco”, alega. 

Cadeiras amontoadas e diversos baldes podem ser vistos em uma das salas da biblioteca. De acordo com os pais das crianças, desde que começaram as aulas em 3/2, os alunos só conseguiram realizar atividades duas vezes. “Cancelam praticamente toda semana devido as chuvas”, revela. As aulas voltaram hoje, 2/3.

O Barueri na Rede procurou a prefeitura sobre o caso, mas não obteve respostas até o fechamento desta reportagem. Pais disseram que já abriram reclamação na ouvidoria, mas que ainda não foram respondidos.

Desde o início do mês de fevereiro deste ano, a chuva tem castigado Barueri deixando diversos pontos de alagamento e rastros de destruição (relembre). Várias famílias foram prejudicadas pelas enchentes e não tiveram um posicionamento sequer da prefeitura (leia mais). Moradores da Vila do Sapo, no Engenho Novo, planejam uma manifestação amanhã, 3/3, em frente à prefeitura para cobrar ações contra as enchentes (confira).

- Publicidade -