Cidade tem áreas de risco, enquanto casas e comércio sofrem com a lama

805
- Publicidade -

Chuva causou grande prejuízo a moradores e comerciantes; há pontos com perigo de deslizamento de terra 

Durante a terça-feira, 11/2, a cidade começa a se recuperar da chuva da véspera, que causou a maior enchente da cidade. As principais avenidas estiveram totalmente interditadas em razão do volume de água, bairros ficaram alagados, repartições públicas e transportes foram prejudicados.

Área de risco fica no Belval, próximo a Arena da cidade/Fotos: Arquivo Pessoal

De acordo com a administração municipal, em comunicados em suas redes sociais, a Defesa Civil continua monitorando as áreas de risco na cidade. Ao Barueri na Rede, moradores relatam o desespero com barrancos que cederam e locais que continuam em perigo.

No Jardim Belval, próximo à Arena Barueri, um barranco ameaça ceder após a forte chuva. A dona da residência conta que a família não tem para onde ir. “O barranco que fica atrás da minha casa está quase cedendo e não sabemos o que fazer. Temos pessoas acamadas no local, que não conseguem se locomover”, conta a moradora. “A Defesa Civil esteve aqui, mas disseram que ainda precisam fazer um relatório. Não sabemos se vamos ficar em uma fila de espera e precisamos de ajuda urgente”, desabafa a leitora ao BnR.

Já na rua Anges, no Engenho Novo, noticiada na segunda-feira, 10/2, pelo Barueri na Rede como área de risco (veja o caso) moradores afirmam que não foi tomada nenhuma atitude pelas autoridades quanto à lama deixada no local após a chuva. “Só estamos pedindo ajuda porque realmente não sabemos o que vai acontecer. Já aconteceu da casa de uma vizinha desabar por conta de chuva”, revela uma moradora do bairro. “Como nenhuma atitude foi tomada até o momento, nós moradores nos juntamos para limpar a lama que estava impedindo a passagem pela rua”, completa.

Região da Vila do Sapo sofre frequentemente com enchentes e alagamentos/Fotos: Arquivo Pessoal

Ainda no bairro do Engenho Novo, na Vila do Sapo, região da cidade que foi fortemente castigada durante uma tempestade em dezembro (relembre), a chuva mais uma vez pegou os moradores desprevenidos. “A enchente chegou à minha casa e a Vila do Sapo foi mais uma vez atingida. Estamos em estado de alerta, tanto para mais chuva, como em relação a nossa segurança”, desabafa um morador da região. “A Prefeitura nos ofereceu um aluguel social, mas fica difícil porque para locar uma casa precisamos pagar adiantado, e no valor que oferecem é complicado achar residências”, termina o leitor.

Pais e familiares se mostram preocupados com situação de barranco atrás de escola/Fotos: Arquivo Pessoal

Um barranco que fica na parte de trás da construção da Emeief Prof. João Tibúrcio Silva Filho, no Chácaras Marcos, também cedeu com a chuva. De acordo com moradores, a escola foi recentemente reformada, porém, não foi feito nada que pudesse proteger a construção. “Reformaram, mas não fizeram um muro de arrimo, ou algo para drenar essa terra, pois há anos o barranco ameaça ceder”, descreve um leitor. Na escola municipal, as aulas voltaram ao normal nesta terça-feira.

Entradas da Farmácia Central e Especialidades estão com um aviso sobre o fechamento/Foto: Divulgação

Por conta da enchente no Centro, a Farmácia Central, que é 24 horas, foi fechada e só abrirá novamente na quarta-feira, 12/2, a partir das 6 horas “Achei que as repartições públicas tinham voltado ao normal. Fui buscar um remédio e perdi a viagem”, conta um leitor. Já o comércio no centro da cidade também teve grandes prejuízos. Após a água ter tomado as principais vias do centro, como as avenidas Henriqueta Mendes Guerra e Vinte Seis de Março, lojas abriram as portas nesta terça-feira calculando os prejuízos deixados pela chuva. Em uma loja de roupas e acessórios para jovens, localizada próximo ao Terminal Rodoviário de Barueri, o prejuízo foi estimado em R$ 30 mil. “Em 23 anos neste local, eu nunca tinha visto nada do tipo e nem vivi nenhuma situação parecida”, conta o proprietário da loja ao BnR.

Um deslizamento de terra atingiu três casas no Centro/Foto: Arquivo Pessoal

Ainda no centro da cidade, na rua Damião Fernandes, um deslizamento de terra atingiu três residências. “Chamamos a Defesa Civil na madrugada de segunda-feira, quando ocorreu o deslizamento. Disseram que há casos piores que os nossos. A minha vizinha saiu de casa, conseguiu um lugar para ficar, já eu e a minha família continuamos aqui”, confidencia uma leitora.

 

O comércio da cidade também foi afetado pela chuva/Fotos: Arquivo Pessoal

O Barueri na Rede perguntou à Prefeitura, por meio da Secretaria de Comunicação (Secom), sobre as medidas que serão tomadas pela administração pública. Foram questionadas ações de limpeza, registros de áreas que continuam em risco e em relação aos danos materiais de moradores e comerciantes. Porém, até o fechamento desta reportagem, a Prefeitura não enviou nenhuma resposta ao jornal.

 

- Publicidade -