Quem são e o que pensam os novos vereadores de Barueri

607

Oito dos dez vereadores eleitos dia 2, e que vão representar a renovação da Câmara Municipal, falam de suas prioridades, planos e também sobre o que pretendem fazer pelas comunidades onde vivem 

5 de outubro de 2016

O Barueri na Rede ouviu oito dos dez novos vereadores da cidade. Eles participaram da sessão da câmara de terça-feira, 4/10 e disseram ao site quais são suas prioridades, projetos e linhas de atuação. Quase todos têm a saúde como principal bandeira. Dois dos novos eleitos, Barrão e Neto Amorim, não estiveram no Legislativo, por isso, não foram ouvidos. Veja o que pensam os futuros representantes da população. 

 

dsc_0755Luizinho do Camargo (Luiz Vicente da Silva), 57 anos, quarta eleição. É do Parque dos Camargos e teve 991 votos.

Promete lutar pelos menos favorecidos e pela região onde mora. “O bairro precisa de um segundo pronto-socorro que atenda Paulista, Parque Viana e Jardim Líbano”, explica. Além disso, quer priorizar a questão de segurança na área, com a melhoria da iluminação e instalação de câmeras na ruas.

***

dsc_0750Luíz do Supermercado Silva (Luiz Fernando da Silva), 47 anos, segunda eleição. É do Jardim Belval e teve 2.175 votos.

Tem como prioridades educação, segurança e habitação. Mas a maior preocupação é saúde, área em que tem projetos específicos, especialmente para consultas e exame. Como alguns de seus planos dependem da concordância do Executivo, prefere falar com o prefeito Rubens Furlan antes de divulgá-los.

***

dsc_0760Rodrigo Rodrigues (Rodrigues Marques de Figueiredo), 27 anos, primeira eleição. É da Vila Ceres e teve 2.198 votos.

Tem como prioridade a saúde. Tem conversado com funcionários da UBSs para ouvir suas propostas. Para os Altos e Jardim Califórnia, sua área de atuação, reivindica melhorar a UBS da região. Vai lutar pela instalação de um centro comunitário e de uma casa lotérica para atender à população local.

***

dsc_0795-1Reinaldo Monteiro (Reinaldo Monteiro da Silva), 49 anos, primeira eleição. É do Jardim Belval e teve 1.748 votos.

Quer priorizar a área da saúde, para onde tem vários projetos, seguida da educação. Para seu bairro, quer a ampliação da UBS, que não consegue atender a demanda local. Também pretende atuar para pressionar a aceleração da obra da UPA, que está praticamente paralisada. Reivindica também uma UBS maior, ao lado do ITB.

***

dsc_0798-1Fabinho do Imperial (Flabem Lima da Silva), 35 anos. É do Parque Imperial e teve 2.384 votos.

Pretende atuar pelos menos favorecidos, especialmente no Parque Imperial, que considera muito carente e esquecido. Quer priorizar saúde e educação. Também pretende lutar pela construção de uma nova saída para o bairro, margeando a avenida Ceci, e pela inauguração urgente tanto da maternal quando do pronto socorro do bairro, este já pronto.

***

dsc_0820Rafa Gente da Gente (Rafael Valério Carvalho), 33 anos, segunda eleição. É do Parque Imperial e teve 2.237 votos.

Sua prioridade é a saúde. Para o bairro, quer lutar por uma nova saída, pela avenida Ceci. Também quer a instalação de um centro esportivo e um centro de lazer para crianças e para a terceira idade. Promete lutar pela abertura do pronto socorro e a construção de uma policlínica, que já é sua bandeira desde a eleição anterior.

***

dsc_0805-1Wilson Zuffa (Wilson Zufa Junior), 38 anos, primeira eleição. É do Engenho Novo e teve 1.692 votos.

Pretende aproveitar sua experiência como chefe de gabinete da Secretaria da Saúde para melhorar a área. Trabalha com o conceito de descentralização. Por isso, defende a instalação de mais dois pronto-socorros infantis, nas regiões da Cruz Preta e do Parque dos Camargos, e dois postos da farmácia popular nos bairros. Quer uma Fieb no Engenho.

***

dsc_0785Allan Miranda, segunda eleição. É morador do centro e teve 2.266 votos.

Sua prioridade é a reconstrução da cidade, começando por uma auditoria, em parceria com o prefeito Rubens Furlan, em todas as secretarias. Na área social, quer separar o favor da obrigação. “Temos que fazer o que for nossa obrigação, e evitar o assistencialismo”, explica. Entende que o Legislativo tem o papel de educar o cidadão politicamente.