Marcello Airoldi estrela peça sobre a estupidez

176

Ator barueriense fala de sua nova peça, La Estupidez, que entrará em cartaz na próxima semana no Teatro
Porto Seguro, em São Paulo


la-estupidez3Estreia no dia 28 de setembro, no teatro Porto Seguro, a comédia La Estupidez, que trata da ganância humana. Com texto do argentino Rafael Spregelburd, a trama se passa no deserto de Las Vegas, em 1980, onde cinco grupos diferentes de pessoas fazem de tudo para ganhar dinheiro e vêem seus destinos se cruzarem enquanto estão atrás de um cheque de um milhão de dólares.

O ator Marcello Airoldi, que faz vários personagens, conversou com o Barueri na Rede e falou sobre a montagem, a relação dos personagens com o Brasil nos tempos atuais e o papel da comédia quando trata de assuntos importantes.

BnR: A peça é uma adaptação de texto original e trata do que?

 Marcello Airoldi: La Estupidez é um texto argentino Rafael Spregelburd que foi adaptado pelo Otavio Martins a partir do trabalho com os atores e, especialmente, para poder tocar em temas, assuntos que dizem tanto respeito ao nosso Brasil nesse momento, nas questões políticas, sociais, nessa grande crise que nós estamos vivendo agora.

BnR:  E a estupidez…

Marcello Airoldi:  Fala, sim, de pessoas estúpidas ou da estupidez humana, porque o ser humano pode sempre se superar. Então, foi necessária essa adaptação para a gente conseguir dizer muito mais coisas do que o próprio texto já diz.

BnR: E cada atriz ou ator faz vários personagens?

Marcello Airoldi:  É uma trama com mais de vinte personagens. Nós somos seis atores e cada um de nós faz pelo menos quatro personagens.

BnR: As coxias devem ser uma loucura…

Marcello Airoldi:  São muito intensas, muito dinâmicas. Imagina quantas trocas cada um de nós faz?. São muitas entradas e saídas. Portas que se abrem e se fecham com seus personagens farsescos… para a gente conseguir conta essa história e, de fato, falar o quanto a gente ainda é estúpido.

BnR: E os personagens?

Marcello Airoldi: Os personagens são os mais malucos… (ri) possíveis, são muito variados, a gente faz policial, empresário, faço um japonês, um mafioso, um adolescente, são muito diferentes. Por isso a gente também brinca nessa chave da farsa.

BnR: Uma comédia para dar um recado sério?

Marcello Airoldi:  Nesse caso, a comédia atua no que ela tem de melhor para contar uma história, pois ela é de fato aguda, cáustica e a gente percebe que está falando de coisas bem importantes, pesadas, mas usando o riso.

BnR: Isso facilita o diálogo?

 Marcello Airoldi:  Isso faz com que o diálogo com o espectador seja um pouco diferente. O acesso através da comédia, na relação com o público, é diferente porque se está brincando de falar de uma coisa que as vezes é muito pesada e por conta do riso ela vai muito mais fundo.

Ficha Técnica:
Comédia de Rafael Spregelburd
Direção e adaptação: Otavio Martins
Elenco:
Marcello Airoldi
Lucas Salles
Juliana Araripe
Cristiane Wersom
Thiago Adorno
Thiago Albanese
Assistente direção: Marcos Damigo
Assistente elenco: Bruno Nabuco
Trilha Sonora: Ricardo Severo
Cenografia: Salvador Cordaro e Otavio Martins
Iluminação: Matheus Macedo
Figurinos: Nicole Nativa e Agnaldo Santos
Arte e Mídias: Robério Brandão
Fotos: Salvador Cordaro
Maquiagem de Fotos: André Florindo
Assessoria Imprensa: Morente Forte Comunicações
Coordenação de Palco: Danilo Queiroz
Operador de Luz: Matheus Macedo
Operador de Som: Rafael Junqueira
Produção Executiva: Will Siqueira
Direção de Produção: Ed Julio
Realização: Baobá Produções Artísticas
Quartas e quintas às 21h
Ingressos:
R$ 60 (Plateia) | R$ 40 (Balcão/Frisas)
Duração: 90 minutos
Classificação: 14 anos

Teatro Porto Seguro – Alameda Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos – São Paulo – fone (011) 3226-7300 

[sam_ad id=”19″ codes=”true”]