Funcionários do hospital municipal de Jandira podem entrar em greve

746

Assembleia para decidir paralisação deve ocorrer nesta quarta-feira, 10/5. Encontros anteriores não chegaram a acordo

De forma similar ao que ocorre em Barueri, os funcionários do Hospital Municipal de Jandira (HMJ) sofrem com impasses criados pela troca de gestão do hospital e ameaçam entrar em greve. Eles exigem garantias que de que as verbas rescisórias serão pagas pelo Instituto de Apoio e Gestão à Saúde (Iages), o antigo gestor, ou que será feita a sub-rogação pela Federação Nacional das Entidades Sociais e Comunitárias (Fenaesc), que está assumindo a administração.

hospital-e-maternidade-em-jandiraO Sindicato Único dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Osasco e Região (Sueessor) convocou os funcionários do HMJ para uma assembleia nesta quarta-feira, 10/5, às 8 horas. O objetivo é avaliar uma proposta conciliadora feita pelo comando sindical à prefeitura do município. Caso os trabalhadores rejeitem a oferta, o sindicato deve deflagrar a greve.

No dia 3/5, foi realizada uma reunião na prefeitura de Jandira entre o Sueessor, o Sindicato dos Enfermeiros do Estado de São Paulo (Seesp), os vereadores que representam o Conselho Municipal de Saúde e Wilson Coelho, que representou a administração municipal, porém não houve avanços nas negociações.

No sábado, dia 6/5, os sindicatos publicaram um edital de greve para garantir o direito de paralisação dos funcionários. O Barueri na Rede falou com Juarez Henrique de Paulo, secretário geral do Sueessor, que informou que nesta semana novas reuniões estabeleceram uma proposta, que deverá ser apresentada amanhã na assembleia, e entende que o acordo é satisfatório para os trabalhadores.

Paralisação parcial dos médicos

Os médicos do HMJ não entram nessa negociação, pois não mantêm vínculo trabalhista com os gestores, trabalhando em regime de pessoa jurídica (PJ). No último fim de semana, a categoria paralisou parcialmente o trabalho, atendendo apenas urgências e emergências. O motivo foi o atraso no pagamento dos salários. Os médicos receberam somente parte dos vencimentos de abril.

Em nota, divulgada pelo jornal Bom Dia São Paulo, da Rede Globo, a prefeitura informou que tem um repasse de 600 mil reais para fazer ao Iages. Entretanto, este dinheiro só será pago quando o instituto acertar o que deve aos funcionários.