Funcionalismo reúne 700 assinaturas de apoio

69

Movimento dos servidores colheu apoio da população para revogação dos planos de carreira aprovados em março pelos vereadores

20160502_184604
Mobilização foi encerrada com reunião realizada diante da prefeitura no início da noite/Fotos:BnR

A vigília organizada pelo movimento do funcionalismo municipal colheu cerca de 700 assinaturas nesta segunda-feira, 2/5. Os servidores montaram uma banca diante da prefeitura, a partir das 6 horas, pedindo adesões da população ao abaixo-assinado que pede a revogação dos planos de carreira elaborados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) por encomenda da prefeitura e aprovados em março pela câmara.

Durante todo o dia, cerca de 300 funcionários se revezaram na coleta de apoios. Também foram distribuídos pelas ruas do centro 2 mil panfletos com uma carta à população explicando as razões do movimento e, no verso, a foto dos 17 vereadores que votaram pela aprovação dos planos.

Notícias relacionadas:

Por direitos trabalhistas, servidores municipais unificam movimento

Servidores municipais preparam ato conjunto para 2 de maio

A manifestação foi encerrada com um ato, também diante do paço municipal, que reuniu cerca de 100 pessoas a partir da 18h30.

Rejeição aos planos

O protesto foi organizado pelo movimento unificado do funcionalismo municipal que tem representantes das áreas de educação e saúde, dos guardas municipais e de patrimônio, das merendeiras, assistentes sociais e assistentes de maternais.

Os servidores querem a revogação dos três planos de carreira recém-aprovados, um para a educação, outro para a guarda e um terceiro para o funcionalismo em geral. Os profissionais reclamam que os projetos não contemplam a possibilidade de crescimento profissional, mantém o princípio de indicação política para escolha dos ocupantes de cargos de chefia e também a possibilidade de transferência compulsória de funcionários sem prévio consentimento.

Os servidores também reclamam um reajuste para recompor perdas salariais acumuladas durante os últimos anos que, segundo eles, chegam a 57%.

[sam_ad id=”4″ codes=”true”]