EXCLUSIVO: Fábio Teruel abre o jogo

4798

Comunicador explica por que criticou a gestão Furlan e se vai ser candidato a prefeito em Barueri

No mês de novembro, o comunicador Fábio Teruel esquentou o debate político de Barueri ao publicar vídeos em que criticava a gestão de Rubens Furlan, especialmente na área de saúde. As queixas provocaram reação imediata do prefeito e causaram uma onda de outras gravações, contra e a favor de ambos, que se espalharam nas redes sociais.

Imediatamente, surgiram rumores de que Teruel, que mora em Barueri, publicou os vídeos como preparação de sua campanha para concorrer ao cargo de prefeito em 2019. Recentemente, ele teve uma experiência bem sucedida na política ao ajudar a eleger seu pai, Ataíde Teruel, deputado estadual sem uso de recursos tradicionais de campanha,apenas amparado no trabalho na sua força como radialista e nas redes sociais.

Fábio Teruel é um comunicador com quase 30 anos de carreira que atrai multidões. Tem mais de 5 milhões de seguidores no Facebook e seu programa, que passa três vezes ao dia na FM Tropical, tem grande público e ouvintes em todo o Brasil. Ele frequentemente realiza eventos de cunho religioso que lota estádios e ginásios, como já aconteceu em Barueri diversas vezes.

Esses eventos apareceram na resposta de Furlan, que afirmou que o comunicador criticou a gestão local por ter perdido privilégios para promover suas atividades na cidade.

Na segunda-feira, 10/12, Teruel recebeu o Barueri na Rede com exclusividade em seu escritório e falou sobre todos esses temas. Leia a entrevista completa.

Recentemente você publicou vídeos com críticas à gestão de Barueri. Por que tem feito isso?

Na verdade, a gente faz esse trabalho já há quase 30 anos de rádio,de defender as pessoas que nos procuram. Não foi só específico a Barueri, mas a gente faz a partir das mensagens que as pessoas mandam pra gente, a gente faz com Osasco, com Carapicuíba, a gente faz com Itapevi, com Barueri, com Jandira, de onde as pessoas reclamam. Então,eu fiz com Barueri.

O prefeito Rubens Furlan respondeu.

Sim, e a minha surpresa foi que essa crítica em relação à gestão foi levada pelo prefeito como uma crítica pessoal, e ele rebateu atacando a minha moral. O que eu achei estranho foi exatamente isso. Em nenhum momento eu falei da moral dele, falei da administração dele, que pela renda per capita que a cidade tem teria que ter um investimento maior na saúde. Muitas pessoas reclamam das falhas, das demoras, e reclamam com razão. Então eu fiz um vídeo questionando algo da gestão dele, nunca de forma pessoal. Ele contou uma inverdade, um fato que não tem fundamento, não tem lastro e levou para o lado pessoal. Eu lamento apenas isso. Ele poderia ter aproveitado a oportunidade para falar sobre os investimentos que estavam sendo feitos na área, o que ele pretende mudar, mas usou a oportunidade para criticar pessoalmente e não esclarecer às pessoas que estão precisando da saúde pública e não estão recebendo.

Ele afirmou num vídeo que você o critica por ter perdido privilégios, que você teria recebido dinheiro por eventos em Barueri e que, como ele não está lhe dando esse dinheiro, você faz essas críticas.

Nunca teve isso. Eu nunca o procurei, nunca tive uma reunião desde que começou seu mandato, em nenhum momento eu fui ao gabinete dele, em nenhum instante recebemos qualquer tipo de verba publicitária dele. Isso é fácil demonstrar. Nunca tive nenhum tipo de privilégio. Pelo contrário, ele sempre privilegiou órgãos de imprensa da região que muitas vezes não têm como comprovar se têm a tiragem que alegam. Meu programa de rádio é um dos ouvidos da região, milhares de pessoas acompanham todos os dias e nunca tive neste governo Furlan nenhum tipo de lastro ou nenhum tipo de campanha publicitária.

E o uso do ginásio José Correa e da Arena Barueri?

Todas as vezes que nós utilizamos os bens públicos, ginásios, estádios, para fazer qualquer tipo de evento, em nenhum momento a gente recebeu qualquer tipo de benefício do governo dele. Tudo foi bancado com recursos próprios. Então, quando ele diz isso é uma inverdade. Ele devia ter usado o espaço que teve para rebater as críticas, para falar da saúde. O que eu queria saber dele é exatamente isso, o que ele vai fazer, o que ele pretende fazer, quais as mudanças que ele vai implantar. Isso ele não responde. O ataque pessoal é mais simples, mais rápido e mais fácil. Foi o que ele fez.

Por causa desta polêmica dos vídeos, passou a circular na cidade a informação de que você será candidato nas próximas eleições para prefeito. Você confirma?

Eu moro em Barueri faz três anos e gosto muito da possibilidade de envolver a população nas questões políticas. Não a politicagem, eu acho que as pessoas precisam de gente que pense diferente. O modelo atual não funciona mais, eu acho que a gente precisa de uma administração mais técnica, com gente que conheça o assunto, que tenha conhecimento técnico.

Fábio Teruel deve assumir a presidência do diretório municipal do Podemos

Então você pretende participar da política de Barueri?

A gente recebeu um convite por parte do Podemos, para fortalecer o partido na cidade. Aceitei o convite e vou ser presidente do partido em Barueri. Em relação a me candidatar, não tenho nenhuma ideia. O que eu quero realmente é formar uma nova geração com essa outra mentalidade, de trabalhar para as pessoas, de ajudar as pessoas de uma nova maneira, mais moderna, ouvindo mais, com mais participação da população nas decisões, sem tomadas de decisão a torto e direito, por achismo. Para tudo tem que ser feito um levantamento técnico, saber a real necessidade, ter mais transparência nessas questões.

Mas e a candidatura?

Não sou candidato a nada, mas vou ser o presidente do Podemos na cidade e quero ajudar a formar essa nova geração de políticos e líderes, para que a gente consiga construir uma cidade mais preocupada realmente com as necessidades básicas da população.

Então no momento você não tem uma decisão de se candidatar?

Exato. Eu só estou assumindo esse compromisso com o Podemos porque recebi o convite e a minha vontade é mesmo ajudar na formação dessa geração. Acho que isso é o fundamental. Essa nova confiança que está brotando desde que a gente vê a eleição do Bolsonaro para presidente e vê essa necessidade de modernizar, de dar espaço para os jovens, para novas ideias. Isso é muito importante.

Quando você fala em nova geração, significa que você tem interesse em formar novos quadros em Barueri?

Temos que criar espaços. Os velhos políticos, que fazem parte da velha política, eles acabam fechando portas para que o poder fique sempre centralizado nas mãos deles. Então o que eu quero é abrir espaços e trazer oportunidades para a nova geração, que traga novas ideias e consiga ter realmente a possibilidade de mostrar isso, de poder se candidatar a cargos, de poder participar do governo, trazer um sangue novo que a gente tanto precisa.

No mento, possibilidade de disputar a prefeitura de Barueri está descartada

E você acha que as pessoas vão atender a seu apelo?

Acredito que pessoas de Barueri que têm interesse em participar dessa nova geração de cabeças pensantes comecem a procurar formas de manifestar sua indignação. Às vezes, a pessoa está insatisfeita com um determinado serviço público, e acha que vai ser sempre assim, porque as coisas no Brasil não mudam. Quando a gente entender a força que a gente tem, a força cada que cidadão tem, acho que o jogo começa a mudar. Não é o prefeito nem os vereadores que mandam na cidade, é o munícipe. Então, quem está insatisfeito tem que se questionar, tem que reivindicar, tem que deixar de pensar que vai ser sempre assim. Tem que unir suas forças com o vizinho do lado, com as pessoas do seu bairro para reivindicar aquilo que é direito. Barueri, por ter uma das rendas per capita mais fortes e maiores do Brasil, dá, sim, para ter algo muito melhor do que tem atualmente. Não é admissível a gente ter numa cidade como Barueri, com a arrecadação que tem, uma saúde precária dessa forma, dessa maneira.

Por que você acha que isso acontece?

Eles preferem investir em obras aqui e ali, sem necessidade alguma. O Furlan construiu um estádio na cidade que hoje é um elefante branco, que ninguém usa para nada. Milhões foram gastos ali de modo aleatório. A gente não pode mais admitir um administrador que aja dessa maneira, que gasta o dinheiro do povo em coisas que não vão ser usadas. Então, a população tem que entender que ela é que manda, ela possui essa força. Quando as pessoas entenderem quem manda na cidade, vão ter que ter a responsabilidade de ouvir o que é realmente necessário, e além de ouvir ter o parecer técnico que diga que aquilo é preciso, e começar a fazer investimentos em cima disso. Aí, você muda o jogo e muda completamente a vida das pessoas.