Duelo Furlan x Teruel abre temporada eleitoral 2020

2706

Prefeito e radialista dão pontapé inicial na corrida para a eleição municipal e movimentam suas bases

Uma troca de farpas entre o prefeito Rubens Furlan e o radialista Fábio Teruel pelas redes sociais dá o pontapé inicial na campanha eleitoral de 2020, que indica sinais de um roteiro bem diferente das disputas anteriores na cidade. As manifestações dos dois, amplificadas por seus correligionários, prometem esquentar o ambiente político nos próximos meses.

Tudo começou em 19 de dezembro, quando o Barueri na Rede publicou em primeira mão decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) que confirmava a condenação de Furlan pela prática de condutas proibidas a agentes públicos. A medida torna o prefeito impedido de participar de eleições por oito anos. O tribunal também mandou acrescentar a informação diretamente no registro eleitoral de Furlan, tornando-o o que popularmente se convencionou chamar de “ficha suja”.

Leia aqui reportagem do BnR sobre a condenação de Furlan: Decisão da Justiça impede Furlan de se candidatar em 2020 

A publicação causou alvoroço no grupo próximo ao prefeito, que em poucas horas distribuiu uma nota em que relativizava a decisão da Justiça. Em seu comunicado, Furlan afirmou que ainda pretende recorrer ao TRE e, caso volte a perder na corte, onde tem sofrido sucessivas derrotas neste processo, promete tentar mudar a sentença no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília. Enquanto isso, continua impedido de disputar.

Veja a resposta de Furlan à reportagem do BnRFurlan diz que não desistiu de disputar no ano que vem

A nota foi amplamente divulgada por apoiadores de Furlan, entre eles, parte de seus secretários a até vereadores, que se apressaram em garantir que o prefeito conseguirá reverter a condenação. Alguns chegaram a negar que Furlan esteja inelegível.

Teruel entrou em cena na noite de 23 de dezembro, quando divulgou um áudio simulando uma conversa com Papai Noel em que satiriza o presente de Natal que Furlan teria recebido, ou seja, condenação na Justiça Eleitoral. Depois de várias ironias, o radialista termina a gravação dizendo que, como consolo, Rubens Furlan pode ao menos se candidatar a síndico do condomínio onde mora.

O vídeo, que circulou nas redes sociais na véspera do Natal, causou euforia nos opositores do prefeito e indignação entre seus colaboradores, produzindo outra onda de divulgação. Correligionários de Furlan passaram a atacar Teruel com termos como oportunista e ressentido, por supostamente estar se vingando de privilégios que teria na gestão de Gil Arantes e que teria perdido agora.

A resposta de Teruel veio dois dias depois, na quinta-feira, 26/12, com novo vídeo. Nela, o radialista se refere a um texto de Marcos Nogueira, colunista do UOL, em que ele diz que o brasileiro está acostumado a comer queijo com estrume, devido às contaminações frequentes encontradas no produto. Depois da publicação, Nogueira recebeu críticas pela denúncia e demonstrou seu inconformismo com os consumidores que, em vez de se preocuparem com a questão da saúde, passaram a criticá-lo por ter divulgado o texto.

Teruel então relaciona os dois casos afirmando que parte dos baruerienses, em vez de se aterem ao fato de Furlan ter sido impedido, ou de tentarem se informar sobre que ato teria levado o prefeito a ser condenado, dirigiram suas críticas a ele, ignorando o fato concreto, que seria o delito praticado. Ele conclui com uma frase do colunista: “Realmente, no Brasil, existe um bocado de gente que gosta de comer queijo com estrume”.

 

O segundo vídeo viralizou novamente, provocando aplausos e mais críticas. Então, o próprio Furlan entrou em cena para se manifestar. Na sexta-feira, 27/12, em entrevista ao jornal Giro S/A, o prefeito reafirmou que será candidato. Segundo ele, após o recesso do Judiciário tomará medidas para reverter a situação. Furlan aproveitou para criticar Teruel, afirmando que o radialista pretende ser prefeito de Barueri, mas que não terá sucesso com esse tipo de comportamento. “Ele gosta de me insultar”, disse o prefeito, que acrescentou que o eleitor rejeita ataques como esses.

Cenário eleitoral indefinido

Em meio ao tiroteio entre os times de Rubens Furlan e Fábio Teruel, o quadro político barueriense para a eleição de 2020 está indefinido. Sem Furlan na disputa, a primeira pergunta que se faz é se Teruel é, afinal, candidato ou não. O radialista, que tem domicílio em Barueri, tem negado a candidatura, mas pessoas próximas garantem que ele disputará. Seu partido, o Podemos, tem mantido atuação constante na cidade.

Outra questão é quem seria o nome de Furlan para o pleito. Há quem aposte no filho do prefeito, Rubinho, que vem ganhando espaço nas aparições públicas do pai, atuando como um pré-candidato. Rumores sugerem que o vice-prefeito Beto Piteri também poderia ser escolhido. Além de ser homem de confiança de Furlan, ele tem a seu favor o fato de ter sido prefeito de Jandira, o que lhe garante experiência.

O ex-prefeito Gil Arantes, que nunca deixou de agir nos bastidores, é outro citado como possível candidato. Gil tem feito reuniões frequentes com lideranças da cidade e conversa quase diariamente por telefone com agentes políticos locais, mas recebe pressão familiar para se manter distante das eleições. Ele também aparece em conversas como aliado de Furlan e poderia ser candidato numa composição entre os dois. No entanto, o fato de ter postado num grupo de whatasapp o primeiro vídeo de Fábio Teruel colocou em xeque esta possibilidade.

Outro nome forte, que tem atuado com intensidade na cidade, é o do ex-vice-prefeito Carlos Zicardi (PL). Ele tem apoio da direção estadual do partido para levar a candidatura adiante, mas enfrenta o mesmo problema de Furlan: está inelegível por causa do mesmo processo e só poderia concorrer caso conseguisse a reversão da decisão judicial em tempo de disputar.

Enquanto isso, outros nomes se movimentam entre secretários, vereadores e candidatos avulsos, todos à espera dos próximos passos do xadrez eleitoral.