Moradores do Belval reclamam de tráfico de drogas nas ruas

5346

Com o livre comércio e consumo de drogas, população teme sair de casa e crianças não podem brincar nas ruas

Moradores das ruas Júlio Prestes e Getúlio Vargas, ambas no Jardim Belval, reclamam do intenso tráfico de drogas no local. De acordo com relatos ao Barueri na Rede, traficantes circulam durante o dia e a noite praticando livre comércio e consumo de drogas pela região.

“Eles circulam até mesmo durante o dia para vender drogas e a população está ficando amedrontada e com medo o tempo todo, não só durante a noite. Nossas crianças não podem mais utilizar a praça do bairro, pois os pais temem que os filhos fiquem neste ambiente”, relata um morador do Jardim Belval ao BnR.

“A base militar próxima fica na rua Itaqui, e de vez em quando são feitas rondas pelas ruas Júlio Prestes e Getúlio Vargas. Mas assim que a polícia vai embora, os traficantes buscam um novo local. Estão sempre revezando por lugares diferentes no bairro”, continua o morador, que preferiu não se identificar.

“Muitos moradores do bairro reclamam que ligam constantemente para o 190, mas na maioria das vezes não há retorno. O pedido só é atendido quando quando nos juntamos e ligamos todos juntos, reclamando do mesmo problema, pois não aguentamos mais essa falta de segurança”, termina o leitor.

Questionada pelo Barueri na Rede sobre o trabalho de patrulhamento e segurança no Jardim Belval, a Prefeitura, por meio da Secom enviou a seguinte resposta: “A Guarda Municipal de Barueri vem realizando um trabalho ostensivo na luta contra o tráfico em diversos pontos da cidade e um deles é justamente no Jardim Belval. Diariamente, as viaturas setoriais e grupamentos táticos circulam pelas ruas do bairro inibindo as ações dos bandidos e garantindo a segurança da população. Somente em 2019, sete traficantes foram detidos entre as ruas Getúlio Vargas e Júlio Prestes. Vale ressaltar que a Guarda trabalha 24 horas e que os munícipes podem colaborar com a segurança pública realizando denúncias através do telefone 153. As denúncias são anônimas e mantidas em sigilo”.