Moradores denunciam mau cheiro por produto químico em rio

1705

Despejo ocorreu no Rio Barueri-Mirim. Prefeitura suspeita que tenha vindo de empresa de Jandira

Moradores da região do Jardim Itaquiti e do centro voltaram a se queixar de mau cheiro ocasionado pelo despejo irregular de produtos químicos no rio Barueri-Mirim. Segundo eles, o odor industrial começou a ser sentido na madrugada de terça-feira, 2/4. A Guarda Ambiental de Barueri apura o caso.

“Alguma empresa deve ter despejado produtos químicos nos esgotos”, contou um morador da rua Presidente Nilo Peçanha, no Jardim Itaquiti. “Durante a madrugada, era possível perceber dentro e fora de casa um cheiro muito forte parecido com cola para cano, talvez algum solvente, que adentrava a casa pelas tubulações de esgoto”, afirmou ao Barueri na Rede.

“Meus pais não conseguiram dormir, acordaram cedo e em algum momento deu até tosse. Saí para trabalhar, passei em frente a Emei Ricardo Peagno e dava para sentir o cheiro. Passei em frente à Arena Barueri, perto dos bueiros, e era possível notar que estava forte”, relata.

“Talvez se avaliar a geografia das tubulações de esgoto e as empresas que ficam nas nascentes, seja possível localizar os responsáveis. Isso já é um problema antigo, mas hoje foi terrível”, completa. No centro, pessoas também reclamaram. “Trabalho no comércio local e está insuportável o cheiro”, comentou um leitor ao Barueri na Rede.

O BnR procurou a prefeitura para obter informações sobre o caso. Em nota, a Secretaria de Comunicação (Secom) do município  confirmou que houve despejo de produto químico no rio Barueri-Mirim. A suspeita é que tenha vindo de uma empresa de Jandira. A nota diz ainda que desde as primeiras horas do dia “a Guarda Ambiental de Barueri está apurando o caso e, no momento, eles aguardam a chegada da Cetesb ao local, para avaliação técnica”.

A Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do estado, à qual a Cetesb está ligada, também foi procurada pelo site e informou que foi realizada uma vistoria no local, mas que “não foi possível identificar a fonte provável do lançamento irregular de efluentes possivelmente contaminados no córrego Itaqui”.

A nota também afirmou que “a inspeção foi acompanhada por técnicos da Defesa Civil de Barueri e de Jandira, já que o curso d’água é localizado na divisa dos dois municípios. A Defesa Civil de Barueri foi orientada a realizar descarga de água (caminhão pipa) no córrego a fim de amenizar o odor ainda existente, como medida paliativa”. A Cetesb continuará a investigação.

Córrego Itaqui

Em dezembro, moradores do Jardim Belval relataram forte cheiro de produtos químicos saindo das bocas de lobo. O córrego Itaqui cruza o bairro, desde a Arena Barueri até desaguar no rio Barueri-Mirim, na altura do Museu Municipal. O cheiro foi sentido na Vila Márcia e no centro. Moradores atribuíram o problema a uma fábrica de tintas no Jardim Califórnia (relembre). Nesta terça-feira, o bairro voltou a sofrer com o odor.

Na ocasião, ao Barueri na Rede, a prefeitura suspeitava que os resíduos químicos pudessem vir de cidades vizinhas, como Jandira e Itapevi. A Cetesb não respondeu à reportagem.