Mau cheiro na região do Belval já dura dois dias e ‘sufoca’ moradores

3564

De acordo com os munícipes, cheiro de produto químico é semelhante a tinta, além do problema ser recorrente

Por Thiago Correia

Moradores da região do Jardim Belval estão desde quinta-feira, 13/6, sentindo um forte odor de tinta. De acordo com os munícipes, o mau cheiro começou por volta das 4 horas e está insuportável. O problema é o mesmo noticiado pelo BnR em abril (relembre).

“Novamente aquele forte cheiro de produto químico invadindo as casas no Jardim Belval. Reportei para a secretaria do Meio Ambiente de Barueri no Facebook. Problema crônico”, contou um morador ao Barueri na Rede. Ele relata que não tem crianças em casa ou idosos, mas que “pela abrangência deve ter afetado pessoas dessas idades”, e que é possível que o cheiro tenha sido percebido na Emei Ricardo Peagno, já que as tubulações passam ao lado.

Um morador da rua Portela, também no Jardim Belval, reclamou da situação. “Cheiro semelhante a solvente/tinta paira sobre o bairro. Foi a partir das quatro da manhã, já dava para sentir dentro de casa”, afirma. O munícipe tem uma filha de dois anos e conta que a esposa tem rinite crônica. “Com cheiro forte assim, [ela] começa a espirrar”, explica. Ele também reitera que não é a primeira vez que o bairro sofre com mau cheiro.

“Moradores do Jardim Belval acordando sufocados dentro da própria casa por conta de um cheiro fortíssimo de produtos químicos (lembra tinta… não sei), que está voltando por toda a tubulação de esgoto”, disse outra moradora. “Isso já aconteceu antes e vocês até fizeram uma reportagem sobre”, completa. Um leitor do BnR alegou ter acordado com falta de ar.

O cheiro também chegou ao Centro. “Está um cheiro insuportável de cola/tinta aqui no centro, pensei que só eu tivesse sentido, mas vi outros relatos no Twitter”, relatou outra leitora, que tem uma criança de um ano de idade.

Na manhã desta sexta-feira, 14/6, moradores do Jardim Itaquiti informaram que o mau cheiro continua. “Estamos já no segundo dia (13 e 14 de junho) inalando durante a madrugada um forte odor de produto químico que vem pelo sistema de esgoto”, afirmou um munícipe.

O Barueri na Rede procurou a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do estado, que está ligada à Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). Em nota, informou que a Cetesb ‘foi acionada por volta das 9 horas sobre esta ocorrência de descarte irregular de efluente industrial durante início da madrugada, o que prejudicou na identificação da fonte da poluição’.

A nota disse ainda que ‘a Agência de Osasco está em contato com a Defesa Civil de Barueri e de Jandira, e prosseguirá nas ações de fiscalização, com o intuito de sanar o problema’. O BnR também procurou a prefeitura de Barueri sobre o caso, mas não obteve respostas até o fechamento desta reportagem.

Córrego Itaqui

No início de abril, moradores da região do Jardim Itaqui reportaram mau cheiro ocasionado pelo despejo irregular de produtos químicos no rio Barueri-Mirim. No caso, a prefeitura confirmou que houve despejo de produto químico no rio e que a suspeita era que tenha vindo de uma empresa de Jandira.

A Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do estado informou que foi realizada uma vistoria no local, mas que “não foi possível identificar a fonte provável do lançamento irregular de efluentes possivelmente contaminados no córrego Itaqui”.

Em dezembro, moradores do Jardim Belval relataram forte cheiro de produtos químicos saindo das bocas de lobo. O córrego Itaqui cruza o bairro, desde a Arena Barueri até desaguar no rio Barueri-Mirim, na altura do Museu Municipal. O cheiro foi sentido na Vila Márcia e no centro. Moradores atribuíram o problema a uma fábrica de tintas no Jardim Califórnia (relembre). Nesta terça-feira, o bairro voltou a sofrer com o odor.

Na ocasião, ao Barueri na Rede, a prefeitura suspeitava que os resíduos químicos pudessem vir de cidades vizinhas, como Jandira e Itapevi. A Cetesb não respondeu à reportagem.