Jovem que teve rosto desfigurado a dentadas fará pelo menos mais dez cirurgias

1947

Talita teve o nariz e uma orelha dilacerados em ataque em 2017 e já passou por cinco cirurgias até o momento

A jovem Talita Oliveira, de 28 anos, teve o rosto desfigurado a dentadas pelo ex-companheiro em novembro de 2017. Depois do ataque, ela precisou se submeter a cinco cirurgias para reconstrução facial e ainda deverá passar por pelo menos mais dez. Segundo o Blog do Paulo Sampaio no Uol, em uma declaração dada ao portal logo após a realização de uma quinta cirurgia nasal, que ocorreu na última semana,  ela foi avisada das possíveis outras dez que ainda terá que fazer. “O médico disse que serão mais dez no mínimo”, contou a jovem.

Talita Oliveira, na época com 27 anos, foi brutalmente agredida a dentadas pelo ex-companheiro, Ricardo Willians Cazuza, em 16 de novembro de 2017, nas Chácaras Marco (relembre). O homem não aceitou o término do relacionamento, e invadiu a casa de Talita. Durante uma luta corporal, Ricardo a atacou com mordidas, arrancando uma orelha e deixando o nariz da vítima dilacerado.

Após a agressão, a vida de Talita virou de cabeça para baixo. Ela perdeu o emprego, onde iria começar dias após o ataque, vive com os três filhos na casa da mãe e hoje tenta recuperar a autoestima. “É um processo lento, mas cada dia, devagarinho, me sinto mais forte. Ainda não estou preparada para fotografar, por exemplo”, contou a vítima.

A jovem é uma das 39 mulheres que recebe atenção e proteção especial do programa Guardião Maria da Penha, inaugurado em março de 2018, da Guarda Municipal de Barueri. A base que fica localizada na rua Sergipe, 89, na Aldeia de Barueri, atende mulheres vítimas de violência doméstica.

Já o agressor, Ricardo Willians, que ficou foragido por nove meses, foi preso em agosto de 2018. Ricardo foi encontrado e preso pela Polícia Civil em Pirapora do Bom Jesus, após denúncias de que um homem com as mesmas características físicas circulava pela região. Ricardo foi detido e encaminhado à Delegacia de Defesa da Mulher de Barueri.

Ainda em entrevista ao Uol, Talita afirmou que a polícia fez um bom trabalho. “Não me deixaram sozinha nenhum minuto, para que eu não ficasse frente a frente com ele”. Na delegacia em que Talita registrou um Boletim de Ocorrência na época, o caso foi registrado como ‘lesão corporal grave’, mas na Delegacia de Defesa da Mulher em Barueri, a acusação passou a ser ‘tentativa de feminicídio’. O acusado, Ricardo Willians, aguarda ser submetido a júri popular.