Elevadores de maternal no Audir não funcionam desde o início do ano

1271

Crianças precisam subir até quatro pavimentos de escadas, enquanto elevadores permanecem sem manutenção

kkkkkk
Elevadores estão desativados desde o início do ano letivo/Foto: Arquivo pessoal

Dois elevadores da maternal Egle Aparecida Rodrigues Campos, do Jardim Audir, estão desativadas desde o início do ano letivo. Mães reclamam que crianças pequenas, algumas até com deficiência, precisam subir e descer as escadas da escola que tem quatro pavimentos.

“É uma dificuldade para as assistentes, que já pediram que os pais tomassem providências”, afirma Angélica Dantas, mãe de um aluno de dois anos que estuda na maternal.

“Vemos como é dificultoso subir e descer com as crianças, que são pequenas numa escola que tem quatro pavimentos”, alega Angélica, que abriu em junho uma reclamação na ouvidoria do município sobre o caso. Por um período, os elevadores funcionaram alternadamente, sempre com um deles parado. Até que ambos ficaram definitivamente desativados.

Segundo o Departamento de Manutenção da Secretaria Municipal de Educação, em resposta à solicitação da munícipe, “o contrato foi rescindido pela Secretaria de Obras por questões de custos. Contudo, está sendo montada nova licitação para manutenção”. Em agosto, a prefeitura informou que aguardava a assinatura do contrato. Mas até o momento, os elevadores permanecem desativados.

kkk
Além dos elevadores, parte de um toldo caiu e está sem manutenção na mesma escola/Foto: Arquivo pessoal

“Eu já tentei todos os meios, mas os elevadores continuam lá, parados”, lamenta Angélica, que chegou a acionar até  o Conselho Tutelar para resolver o problema. Em paralelo aos elevadores, a escola ainda está sem parte de um toldo, que também está sem manutenção desde o início do ano.

O Barueri na Rede entrou em contato com a prefeitura sobre o caso, que por meio da Secom, informou que “já há uma nova empresa contratada para fazer a manutenção em todos os elevadores da rede. Os trabalhos começarão nos próximos dias”.