Ambulante idosa passa mal ao ter mercadorias apreendidas

4161

Vídeos viralizaram nas redes sociais e relatos davam conta, inclusive, de que dona Maria havia morrido

Circulavam boatos de que Maria do Carmo Ricardo da Silva de Paulo, a dona Maria, teria morrido. Mas ela foi vista no refeitório do Parque da Maturidade ontem, 5/9/Foto: Fonte BnR

Uma vendedora ambulante idosa passou mal após ter suas mercadorias apreendidas por fiscais no Terminal Rodoviário do Centro por volta das 10h30 de quarta-feira, 4/9. Maria do Carmo Ricardo da Silva de Paulo precisou ser levada ao Pronto-Socorro Central (Sameb), mas passa bem. Chegou a circular a informação de que ela teria morrido. Questionada, a prefeitura defendeu a ação dos fiscais e afirmou que ambulantes costumam simular mal súbito quando se deparam com a fiscalização.

Em vídeos, que viralizaram nas redes sociais, a idosa, conhecida como dona Maria, tenta recuperar seus produtos que a fiscalização da Secretaria de Indústria, Comércio e Trabalho tomou, enquanto pessoas que passavam pelo local pediam para deixarem a ambulante em paz.

Durante a abordagem, dona Maria cai no chão e começa a tremer. Pessoas abrem espaço e tentam reanimá-la. Segundo fontes ouvidas pelo Barueri na Rede, os próprios fiscais chamaram uma ambulância, que conduziu a idosa até o Pronto-Socorro Central (Sameb).

“Ela foi atentida, passou pela triagem, foi medida a pressão, depois examinada pelo médico e foi embora”, contou uma fonte ao BnR.  “A dona Maria é conhecida por todos na rodoviária, sempre fica lá. Em uma das nossas conversas, ela disse que morava no Parque Imperial, que tem um esposo cadeirante e paga aluguel”, revela uma outra fonte que não quis ser identificada. “Ela vendia bala no terminal para pagar o aluguel”, completa.

Nas redes sociais, pessoas se solidarizaram com dona Maria e criticaram a ação dos fiscais. “É um absurdo. É revoltante uma senhora dessa idade ser tratada dessa forma. Muito triste tudo isso”, relatou uma internauta. “Isso é desumano. Fico triste vendo uma coisa dessas, a senhora caída no chão e eles não fazem nada para ajudá-la”, disse outra.

Diversas versões sobre o estado de saúde de dona Maria circularam pelas redes sociais. Em alguns relatos, pessoas afirmavam até que ela teria morrido. O BnR apurou que dona Maria está bem e que, inclusive, foi vista no refeitório do Parque da Maturidade ontem, 5/9.

O que diz a prefeitura

O BnR questionou a prefeitura sobre o ocorrido. Em nota, a Secretaria de Comunicação (Secom) afirma que as imagens do vídeo viralizado mostram que “não há agressão ou truculência por parte dos fiscais” e que a equipe de fiscalização já havia avisado a senhora, na parte da manhã, de que “se permanecesse no local de forma irregular, a mercadoria seria apreendida”.

A nota diz que alguns ambulantes irregulares “têm a prática de simularem mal súbito e crise nervosa quando se deparam com a fiscalização” para provocar comoção popular e que, os fiscais, por não terem competência legal para avaliar a condição de saúde, agiram “dentro das normas protocolares acionando o socorro médico, que prestou o atendimento com rapidez”.

A prefeitura informou que no PS, após ser examinada, dona Maria não aguardou a recomendação médica de permanecer no local para observação e deixou a unidade. No dia seguinte, uma equipe multidisciplinar de saúde, formada por psicólogo, assistente social e enfermeiro, foi à residência dela “avaliar a necessidade de auxílio, mas foi recebida por um familiar, que informou aos profissionais que ela estava bem, mas não estava em casa”.

A nota ainda afirma que diante do boato divulgado nas redes sociais sobre o falecimento da ambulante, a prefeitura entrou em contato com órgãos de segurança e de saúde, e não encontrou nenhum registro.

Por fim, a nota reitera que a fiscalização do comércio irregular, que tem base na Lei Complementar 116 de 2012, se faz necessária também por uma “questão de saúde pública”, já que alguns produtos alimentícios não atendem às exigências sanitárias previstas em lei. E que são apresentados a todos os ambulantes irregulares da cidade, canais de reinserção e qualificação profissional, como Programa Meu Futuro, Casa do Trabalhador, Posto de Atendimento Sebrae – Barueri e Banco do Povo.